Seis minutos de exercícios diários de alta intensidade podem atrasar o início da doença de Alzheimer

Resumo: Pesquisadores relatam que seis minutos de exercícios de alta intensidade regularmente podem retardar o envelhecimento do cérebro e retardar o aparecimento de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson. O exercício de alta intensidade aumenta a produção de BDNF, uma proteína envolvida na memória, aprendizado e plasticidade cerebral, que pode proteger o cérebro do declínio cognitivo relacionado à idade.

Fonte: A Sociedade Fisiológica

Seis minutos de exercício de alta intensidade podem prolongar a vida útil de um cérebro saudável e retardar o aparecimento de distúrbios neurodegenerativos, como a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson.

Nova pesquisa publicada em O Jornal de Fisiologia mostra que um ciclo curto, mas intenso, aumenta a produção de uma proteína especializada que é essencial para a formação do cérebro, aprendizado e memória, e pode proteger o cérebro do declínio cognitivo relacionado à idade.

Essa visão sobre o exercício faz parte do esforço para desenvolver abordagens não farmacológicas acessíveis, equitativas e acessíveis que qualquer pessoa pode adotar para promover o envelhecimento saudável.

A proteína especializada chamada fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) promove a neuroplasticidade (a capacidade do cérebro de formar novas conexões e caminhos) e a sobrevivência dos neurônios.

Estudos em animais mostraram que o aumento da disponibilidade de BDNF estimula a formação e o armazenamento de memórias, melhora o aprendizado e, em geral, aumenta o desempenho cognitivo. Esses papéis-chave e suas aparentes qualidades neuroprotetoras levaram ao interesse no BDNF para pesquisas sobre envelhecimento.

O principal autor, Travis Gibbons, da Universidade de Otago, Nova Zelândia, afirmou: “O BDNF tem se mostrado muito promissor em modelos animais, mas as intervenções farmacêuticas até agora falharam em aproveitar com segurança o poder protetor do BDNF em humanos.

“Vimos a necessidade de explorar abordagens não farmacológicas que possam preservar a capacidade do cérebro que os humanos podem usar para aumentar naturalmente o BDNF para ajudar no envelhecimento saudável”.

Para separar a influência do jejum e do exercício na produção de BDNF, os pesquisadores da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, compararam os seguintes fatores para estudar os efeitos isolados e interativos:

  • Jejum de 20 horas
  • Exercício leve (ciclismo de baixa intensidade de 90 minutos)
  • Exercício de alta intensidade (seis minutos de ciclismo vigoroso)
  • Jejum e exercícios combinados

Eles descobriram que exercícios breves, mas vigorosos, eram a maneira mais eficiente de aumentar o BDNF em comparação com um dia de jejum com ou sem uma longa sessão de exercícios leves. O BDNF aumentou de quatro a cinco vezes (396 pg L-1 para 1170 pg L-1) mais em comparação com jejum (sem alteração na concentração de BDNF) ou atividade prolongada (ligeiro aumento na concentração de BDNF, 336 pg L-1 para 390 pg L-1).

A causa dessas diferenças ainda não é conhecida e mais pesquisas são necessárias para entender os mecanismos envolvidos. Uma hipótese está relacionada à troca de substrato cerebral e ao metabolismo da glicose, a principal fonte de combustível do cérebro.

A troca de substrato cerebral ocorre quando o cérebro troca sua fonte de combustível favorita por outra para garantir que as demandas de energia do corpo sejam atendidas, por exemplo, metabolizando o lactato em vez da glicose durante o exercício. A transição do cérebro de consumir glicose para lactato inicia caminhos que resultam em níveis elevados de BDNF no sangue.

Eles descobriram que o exercício breve, mas vigoroso, era a maneira mais eficiente de aumentar o BDNF em comparação com um dia de jejum com ou sem uma longa sessão de exercícios leves. A imagem é de domínio público

O aumento observado de BDNF durante o exercício pode ser devido ao aumento do número de plaquetas (a menor célula do sangue), que armazenam grandes quantidades de BDNF. A concentração de plaquetas circulantes no sangue é mais fortemente influenciada pelo exercício do que pelo jejum e aumenta em 20%.

Doze participantes fisicamente ativos (seis homens, seis mulheres com idade entre 18 e 56 anos) participaram do estudo. A proporção equilibrada de participantes do sexo masculino e feminino foi para fornecer uma melhor representação da população, em vez de indicar diferenças de sexo.

Mais pesquisas estão em andamento para aprofundar os efeitos da restrição calórica e do exercício para distinguir a influência no BDNF e os benefícios cognitivos.

Travis Gibbons observou: “Agora estamos estudando como o jejum por períodos mais longos, por exemplo, até três dias, influencia o BDNF. Estamos curiosos para saber se o exercício intenso no início de um jejum acelera os efeitos benéficos do jejum.

“Jejum e exercício raramente são estudados juntos. Acreditamos que o jejum e o exercício podem ser usados ​​em conjunto para otimizar a produção de BDNF no cérebro humano”.

Sobre este exercício e notícias de pesquisa de demência

Autor: Assessoria de Imprensa
Fonte: A Sociedade Fisiológica
Contato: Assessoria de Imprensa – The Physiological Society
Imagem: A imagem é de domínio público

Veja também

Isso mostra desenhos de fábulas como a lebre e a tartaruga

Pesquisa original: Acesso fechado.
“O jejum de 20 h não afeta os aumentos induzidos pelo exercício no BDNF circulante em humanos” por Travis Gibbons et al. Revista de Fisiologia


Resumo

O jejum de 20 h não afeta os aumentos induzidos pelo exercício no BDNF circulante em humanos

O jejum intermitente e o exercício fornecem neuroproteção contra o declínio cognitivo relacionado à idade. Uma ligação entre esses dois estressores aparentemente distintos é sua capacidade de desviar o cérebro exclusivamente do metabolismo da glicose. Essa troca de substrato cerebral tem sido implicada na regulação positiva do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), uma proteína envolvida na neuroplasticidade, aprendizado e memória, e pode ser a base de alguns desses efeitos neuroprotetores.

Examinamos os efeitos isolados e interativos de (1) jejum de 20 horas, (2) exercícios leves de 90 minutos e (3) exercícios de alta intensidade no BDNF venoso periférico em 12 voluntários humanos.

Um estudo de acompanhamento isolou a influência do estresse de cisalhamento cerebrovascular no BDNF circulante. O jejum de 20 h diminuiu a glicose e aumentou as cetonas (P ≤ 0,0157), mas não teve efeito sobre o BDNF (P ≥ 0,4637). Ciclagem leve a 25% do consumo máximo de oxigênio (${\dot V_{{{\rm{O}}_{\rm{2}}}{\rm{pico}}}}$) aumentou o BDNF sérico em 6 ± 8% (independente de estar alimentado ou em jejum) e foi mediado por um aumento de 7 ± 6% nas plaquetas (P < 0,0001).

O BDNF plasmático aumentou de 336 pg l−1 [46,626] para 390 pg l−1 [127,653] por 90 min de ciclismo leve (P = 0,0128). Seis intervalos de 40 segundos a 100% de ${\dot V_{{{\rm{O}}_{\rm{2}}}{\rm{pico}}}}$ aumento do BDNF plasmático e sérico, também como a proporção de BDNF por plaqueta 4 a 5 vezes mais do que o exercício leve (P ≤ 0,0044). O BDNF plasmático foi correlacionado com o lactato circulante durante os intervalos de alta intensidade (r = 0,47, P = 0,0057), mas não durante exercícios leves (P = 0,7407).

Alterações no estresse de cisalhamento cerebral – ocorrendo naturalmente durante o exercício ou induzida experimentalmente com CO inspirado2 – não correspondeu com mudanças em BDNF (P ≥ 0,2730).

As respostas do BDNF ao exercício de baixa intensidade são mediadas pelo aumento das plaquetas circulantes, e é necessário aumentar a duração do exercício ou particularmente a intensidade para liberar o BDNF livre.

Leave a Comment