Monkeypox sofre mutação a uma taxa sem precedentes, segundo estudo

Pesquisadores que investigam o vírus da varíola dos macacos disseram que ele parece ter sofrido uma mutação em uma taxa sem precedentes – muito mais rápido do que os especialistas previram inicialmente, de acordo com um novo estudo.

O estudo, que foi publicado na revista médica Nature Medicine na quinta-feira, descobriu que havia uma média de 50 mutações em amostras deste ano, quando apenas 10 seriam normalmente esperadas.

No estudo, um grupo de pesquisadores portugueses analisou a primeira sequência de varíola dos macacos divulgada publicamente em 20 de maio, juntamente com 14 sequências adicionais lançadas antes de 27 de maio.

Os pesquisadores descobriram cerca de 50 variações genéticas nos vírus, um número de seis a 12 vezes maior do que estudos anteriores de outros ortopoxvírus, uma família de vírus à qual pertence a varíola dos macacos.

O estudo disse que a taxa de mutação pode sugerir um caso de “evolução acelerada”.

sintomas de varicela
Monkeypox pode causar bolhas, espinhas e lesões na pele.
DIVULGAÇÃO/Agência de Segurança da Saúde do Reino Unido/AFP via Getty Images

João Paulo Gomes, coautor e chefe da Unidade de Genômica e Bioinformática do Instituto Nacional de Saúde em Portugal, disse que o número de mutações foi “bastante inesperado”.

“Considerando que este vírus da varíola dos macacos de 2022 é provavelmente descendente do vírus do surto de 2017 na Nigéria, seria de esperar não mais do que cinco a 10 mutações adicionais em vez das cerca de 50 mutações observadas”, disse ele à Newsweek.

  Um homem é vacinado em uma clínica de vacinação contra a varíola dos macacos administrada pelas autoridades de saúde pública do CIUSSS em Montreal, Quebec, Canadá,
Um homem é vacinado em uma clínica de vacinação contra varíola dos macacos administrada pelas autoridades de saúde pública do CIUSSS em Montreal, Quebec, Canadá.
REUTERS/Christinne Muschi/Foto de arquivo

“Esperamos que agora, grupos especializados realizem experimentos de laboratório para entender se esse vírus de 2022 aumentou sua transmissibilidade.”

Atualmente, existem mais de 3.500 casos do vírus em 44 países em todo o mundo.

Monkeypox, uma infecção viral que causa lesões na pele, é endêmica em certas partes da África. Mas o atual surto atingiu países onde o vírus geralmente não se espalha, despertando preocupação.

O CDC disse que também houve relatos de transmissão entre familiares e contatos próximos.

O vírus pode se espalhar através do compartilhamento de fluidos corporais ou roupas com uma pessoa ou animal infectado. Também pode ser contraído respirando gotículas respiratórias enquanto fala com alguém.

Monkeypox pode causar bolhas e espinhas na pele. Os pacientes também relatam ter erupções cutâneas após as bolhas.

O governo Biden anunciou esta semana que os testes para o vírus serão enviados para laboratórios comerciais em uma corrida para expandir os testes e acelerar os diagnósticos, já que os casos confirmados em todo o país atingiram 173 na sexta-feira, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Monkeypox pode infectar qualquer pessoa, mas vários casos nos EUA e na Europa foram encontrados em homens gays, levando as autoridades de saúde a pressionar para aumentar a conscientização na comunidade, mesmo que os testes permaneçam escassos e apenas pessoas que atendam a critérios rigorosos, como ter lesões, possam mesmo fazer o teste.

O Reino Unido anunciou recentemente um lançamento de vacina apenas para homens gays e bissexuais.

Leave a Comment